Poesia





Sonho como
a pedra
O sonho leve
de quem
sonha

__________________________________

Liberto sinto
o sonho
qualquer
que seja
Porque
não há sonho
que não liberto
esteja
_________________________________


          O peso do sonho

Como pena
a minha luta
pesa
às vezes toneladas
outras, nada

Se afunda ou nada
a pena pesa
conforme
a saga

__________________________________

Arquitetura

Não quero
construir
vilas
prédios
modernas
visões
do estético
cimento
Tampouco
pretendo
com minha arquitetura
refletir
o concreto
De minha prancheta
surgirão novos prédios
para ofertar ao homem
um novo mundo
velho projeto
de um neo arquiteto
Não quero
conhecer novas formas
de cálculos
Quero, apenas,
construir
... sonhos.




______________________________

   Angústia

Angustia-me
como poeta
não ser Pessoa
e triste descubro
que até como
pessoa
não sou poeta

Sonho apenas
choro o povo
clamo por voz
verso o sonho

Nem Medauar sou
em poema
para meu
neto
 
 

__________________

 

           Alquimia

 

Plínio, Caldas, Firmino

   Santal, Maria
       Sabará
           Geny, Helio Nunes
                Mariá

Concreta a poesia
    concreto o povo
         o sabiá
           Se longe vai
         o poeta
           longe vai
               o sabia
        o sabiar

Cadinho
    grapiúna
        cultura
             e voz
                 deste
                      meu
                           pensar


____________


                                                                                 Horizontes
                                                                       
                                                                        Se pudesse
                                                                                     vê-la
                                                                        nesse olhar distante!
                                           
                                                                            Tê-la?
                                                                       é circunstância
                                                                                  de rima

                                                                      Não de estima



                            Awa'pé

A ilha flutua
      nua
indiferente
   aos pudores
       do poeta
           que a contempla

Baila
  diáfana
e
  exangue
deixando-se levar
não quer saber para onde

Perde-se
em felicidade
vivendo amores
flertando olhares
reina
Uapé
mururé

Devaneia
            fêmea
noiva em prima noche
feliz
plena
rodopia
deslumbra
antropófaga
   s                a n
e      o r p i        a
     c    

A ilha
     flutua
   nua
    no rio
 ilha   
   de baronesas
      no cio




    Paranoia
Quando vestira verde
disseram-no integralista
Quando usara amarelo
Disseram-no “impaludista”
De negro
          facista
De vermelho
                comunista
E de cor em cor
tanto ouviu
e se impressionou
que um dia andou nu
                                               Então prenderam-no


                                A João Cabral de Melo Neto

A medida
do homem
é a morte
mais a vida

Talvez
não a morte
mas a vida

Se a vida
não a morte
Somente há morte
se há vida

Esquecido
de que existe
deixou o homem
de ser vida
tornou-se morte

Talvez só
ou na morte
ou na vida
encontre o homem
sua medida

Descamba o homem
entre a morte
e a vida
consumido em uma
industriado em outra

Corre sinuoso
em vida
a morte
contorcida

Entre a vida
e a morte
não encontra
ainda o homem
sua medida





                                                      O menino e o sonho
            A Sebastião Salgado

O corpo
cai
sem alma
sobre o resto
humano

O olhar
vago
distante
do nada
é apenas olhar

Não tem o que perceber
do que existe em volta
e o que em volta existe
não permite crer

Sentimento ausente
de clone intergalático
alheio ao que não entende
nem pressente

Ainda crê em Deus?
– Talvez, talvez
Se por comida  
ainda tem a terra
crua!

A herança mesma
dos pais que
viveram sob o
sonho
que não tem

Antes que tudo acabe



   As andorinhas de Itajuípe
              
A noite
começa a esconder
a domada cabeleira da tarde
           das andorinhas de Itajuípe

E a gente
simples, reencontrando
a natureza, aflora às ruas
para ver
           as andorinhas de Itajuípe

E todos se encontram
em esquecida infância,
olvidando o hoje e o agora
          com as andorinhas de Itajuípe

E vivem
plenamente,
na canção que a tarde eleva
do coro
          das andorinhas de Itajuípe

 E, nas divagações do poeta,
         as andorinhas
                      o
                ã
           v                                                        
 e                                                                                                         
            v
                ê
                    m

num pincelar vangoghiano
    sobre o entardecer
        de Itajuípe