Crônicas

Entre São Bento e São José

Em Salvador da Bahia, nos idos dos 60, curso das reações ao regime ditatorial imposto a partir do golpe de 1964 construindo o AI-5 de 1968, uma figura tornou-se símbolo de proteção aos que enfrentavam o regime: Dom Jerônimo de Sá Cavalcante, do Mosteiro de São Bento. Ali a fortaleza quando a repressão policial partia para a degola e os restados espavoridos manifestantes – fugados desde o Terreiro de Jesus, a Praça da Sé, a Rua da Misericórdia, a Rua Chile e a Praça Castro Alves – alcançavam a Ladeira de São Bento e o beneditino abria os grossos portões do mosteiro para receber os jovens estudantes e intelectuais perseguidos como cães lazarentos.

Não o instante de ouvir o canto gregoriano que enlevava suas celebrações, tampouco as prédicas de D. Jerônimo. Em meio aos disparos (os muros ficaram marcados) os portões do paraíso de D. Jerônimo tornavam-se o bastião salvador para os que conseguiam escapar da truculência.

Não afirmemos em torno do que pensava a ditadura em relação aos templos religiosos, em especial os da Igreja Católica. Até porque não faltaria argumento aos que viam em muitos de seus membros a defesa – através do golpe – dos ‘valores cristãos’ ameaçados pelo comunismo ateu. A própria Conferência Nacional dos Bispos do Brasil-CNBB – como lembrou Fábio Konder Comparato em elegia a Dom Paulo Evaristo Arns, pinçou uma declaração de 29 de maio de 1964, exaltando o golpe, porque em relação “a marcha acelerada do comunismo para a conquista do poder, as forças armadas acudiram em tempo, e evitaram que se consumasse a implantação do regime bolchevista em nossa terra”.

Afinal, nem todos pensavam e agiam como D. Hélder Câmara, Dom Jerônimo, D. Paulo Evaristo Arns.

Tempos terríveis, aqueles. Mas nunca vimos ou conhecimento tivemos de tentativa de invasão ao Mosteiro de São Bento, em Salvador, além da aproximação às ‘muralhas’ da instituição religiosa. Cercado, sim; invadido ou ocupado, não.

Acompanhamos a recente ocupação da Igreja São José, no Rio de Janeiro por forças policiais que reprimiam servidores em mobilização por receber seus salários.

O El Pais, de 07.12.2016, registrou: Os policiais chegaram a usar a Igreja de São José, a poucos metros da Assembleia, como ponto de tiro. Agentes foram flagrados nas sacadas do templo atirando diretamente contra a multidão”.

Os fatos repetem-se nas circunstâncias que levam o instante às semelhanças entre um e outro tempo histórico – ditadura distinta na fórmula que as impôs – onde a repressão caldeia o café nosso de cada dia.

Nada a acrescentar. Fica-nos a reflexão da barafunda em que se tornou esta terra brasilis. A invasão e ocupação de templos sinalizam o extremo a que estamos chegando.

Com singular detalhe: falta a proteção de D. Jerônimo do Mosteiro de São Bento de Salvador da Bahia. E acabamos de perder D. Paulo Evaristo Arns.


A prova dos nove

Poeta das margens do Colônia tornado Cachoeira registrou em verso: O Cachoeira é o maior rio do mundo, porque é o rio da minha cidade.

Sempre nos intrigou o versado. Tudo pautado na dúvida entre a criação inédita e a de transformar o rio nosso no Tejo português, alçado aos píncaros de grandeza por Fernando Pessoa o de sua aldeia. 

Temíamos imaginar – injustamente – no degrau daquelas que balbuciam orações e acariciam rosários enquanto fuzilam o olhar em volta para registro de prosas sobre o alheio, que o nosso vate houvesse bebido no maior da Língua Portuguesa sem mesmo a ele dedicar a obra. 

Por outro lado – oh! angústia – bem poderia nunca tê-lo folheado, e, então, sua inspiração levava-o a outras considerações: elevara ao Panteão nosso outrora rio das pedras partidas pretas na denominação dos nativos que o tinha como Ita-aba-una, hoje ansiando sobreviver. E estaria no degrau de Alberto Caeiro, no XX, de O Guardador de Rebanho.

A Carl Jung a primeva concepção do inconsciente coletivo, instrumento de residualidade, em cada um, da informação universal da espécie no mais profundo da psique, repositório dos traços funcionais comuns a todos. Imagens arquetípicas que se expressam quando as circunstâncias o ensejam. Ainda que na reformulação de Erich Fromm (nossa leitura obrigatória na adolescência, desde quando o descobrimos em Meu Encontro com Marx e Freud, Conceito Marxista do Homem e O Dogma de Cristo, dentre outros) tal inconsciente se faça no prisma social, insuscetível de ser alcançado pela consciência, sempre nos fixamos na constituição cósmico-holística para melhor explicarmos o que nos foge à lógica a que submetido.

Dia desses Ravi – neto em seus cinco anos acabados de completar na permanente sabatina a que somos submetido – nos bombardeou:

- Vovô, por que minha escola é a maior escola?

- Não sei, Ravi. Difícil responder, até porque não podemos afirmar que seja ela a maior escola. E tentamos esgotar: - Há muitas escolas grandes.

Como em outras oportunidades acabávamos de nos envolver na tentativa de encontrar uma resposta que o convencesse, pois não tardou retomar a sequência de por quês até que satisfeito com a resposta que seria definitiva.

Estávamos nesse trilhar entre o “por que” e o “porque” já por mais de um minuto.

Então foi definitivo, diante da ignorância deste septuagenário:

- Vovô, você não sabe, mas eu sei: minha escola é a maior escola porque é a minha escola!

Certamente nunca leu Fernando Pessoa. Como nosso vate antes de poemar.


E para os que duvidam de Jung, a prova dos nove.

Epifania

Uma certa nostalgia beira a depressão profunda. E se nos acomete quando se aproxima o Natal, anunciado sob o condão de que o mundo real é o recôndito que emana do encravado no Ártico de Papai Noel. E tudo conspira contra o resgate da alegria, no subliminar divulgar o “espírito” de menos fraternidade e mais materialidade, menos irmandade e mais consumo como saída mágica para as mazelas do planeta e de sua gente, elaborado no axioma mercantilista de que o ter, pelo poder da compra, realiza o ser.

Ao contrário de “Bate o sino pequenino, sino de Belém, já nasceu o Deus menino para o nosso bem”, a “Boas Festas” – de Assis Valente – melhor compreende esse estado de espírito, refletindo a contradição entre a esperança da igualdade inspirada no nascimento do Menino Jesus vocacionando o Homem à Felicidade e a que “inspira” as burras dos que ofertam um mundo melhor, sempre adiado, alimentado na concentração e não na distribuição das dádivas da riqueza.

Por outro lado, temos que um “raso da Catarina” da dura realidade há muito desmoralizou os versos de “O Velhinho”, de Octávio Filho, aquele do “Botei meu sapatinho na janela do quintal” porque “seja rico ou seja pobre o velhinho sempre vem”, singular utopia socialista, só não tachada de comunismo comedor de criancinha porque alimenta o capitalismo.

Afinal, quando despenca a distribuição da riqueza no planeta, quando o desemprego ainda existe, a senilidade do Papai Noel se acentua e torna-o mais seletivo, conduzindo o trenó somente para endereços de quem disponha de castelos com reluzentes luminárias que lhe sirvam de farol em noite de tempestade.

No entanto, o talento para idear meios cada vez mais capazes de exaurir poupanças manipula o espírito natalino-cristão em benefício do natalino-comércio. O sentimento da afetividade aflorada no imaginário, seduzida por música angelical, dispara o processo do compre-compre-quanto-mais-comprar-mais-feliz-será.

Nos últimos anos concebeu de instalar árvores de Natal em agências dos Correios e centros comerciais “enfeitadas” de cartões com pedidos de crianças que não possuem endereço com estacionamento para o trenó do cidadão da Lapônia.

Não deixa de ser comovente folhear tais pedidos, que sensibilizam certamente. “Já faz tempo que eu pedi, mas o meu Papai Noel não vem, com certeza já morreu ou felicidade é brinquedo que não tem”, declama Assis Valente, ecoando em nós mais pela melodia internalizada no imaginário do “compre” do que pela mensagem que expressa, elaborada para todas as idades.

E se nos alcança o Quixote redentor de que fazendo a minha parte contribuo para mudar o mundo. A universal “Noite Feliz” – letra original de Joseph Mohr para melodia de Franz Gruber, que se atribui composta no 25 de dezembro do distante 1818 – embala os sonhos de um mundo melhor lembrando que “O Senhor, Deus de amor, pobrezinho nasceu em Belém”, razão por que a doação que se fizer nasce na manjedoura divina alcançada pela estrela guia.

Mas, dizíamos, não deixam de sensibilizar tantos pedidos para crianças que se encontram sob cuidados e atenções alheias dedicadas à prática do amor ao semelhante. Particularmente, os olhos marejam nas lembranças da infância sertaneja do autor, causticada a vida como a terra pelo sol, quando sapatinhos e meias eram postos bem arrumadinhos no compasso da espera e ficávamos retardando o sono na venial curiosidade de aguardar o velhinho para agradecimento pessoal e morrer de felicidade num abraço daqueles que só as crianças com sonhos satisfeitos podem dar.

E na desperta manhã quando nos debruçávamos sobre a realidade compreendíamos como punição o nada haver recebido – criança desobediente dá nisso mesmo. E púnhamos as mãos postas em oração silenciosa de mea culpa, ajoelhado ao lado de meias e sapatinhos vazios pedindo indulgências pela curiosidade. E antecipávamos o pedido implorado de que não fôssemos esquecido no ano seguinte e que continuaríamos um bom menino, rezando ao levantar e ao deitar para papai, mamãe, vovô, vovó, titio, titia, irmãozinhos e também “para você”, Papai Noel. Então corríamos para nos pendurar no batente da janela bebendo na ânfora da alegria alheia, olhar fundo, distante e comprido, brotado de foto de Sebastião Salgado.

É por isso que marejamos diante destas árvores pendidas de esperanças, sonhos e tantas expectativas com uma indagação: se não aliviadas de todos aqueles pedidos postarão as destinatárias mãozinhas vazias em oração, adiando a esperança? Terão voz para “Noite Feliz”, compreendendo a crueza da existência na realidade pautada em desigualdades?

Afinal, para o comércio, apenas algumas unidades a menos nas estatísticas dos negócios. Para a infância, a quem só resta o ano próximo, uma frustração que pode marcá-la para sempre, como ao gado sob o ferro em brasa, indelével para existência.

Mas nos vem Máximo Gorki: “tempo virá em que os homens se admirarão uns aos outros, em que cada qual brilhará como uma estrela, em que escutará a voz do seu semelhante como se fosse uma música” (A Mãe).

Por causa disso nos inclinamos a rogar que a epifania se faça e alguém tenha tomado o cajado de Papai Noel e guiado o seu trenó para evitar o desencanto de uma criança. Que é a coisa mais triste de se ver.


E de compreender!

 
Comemoração

O golpe militar de 1964 não se fez compreendido nos rincões do Brasil como muitos podem imaginar. Nem de longe repercutiu como o suicídio de Getúlio Vargas. As informações chegadas, através do rádio, traduziam propaganda oficial manipulando a população para aplaudir os que enfrentavam “comedores de criancinhas” e “lacaios de Moscou”. A mesma que encontrava no cura a palavra de Deus contrária ao “comunismo ateu”, estuprador de freiras.

Para completar, as marchas da família com Deus pela liberdade e pela democracia faziam voz corrente, em todos os espaços, de que, não fora a sacrossanta intervenção das “gloriosas forças armadas”, o país teria sucumbido aos adeptos de Belzebu.

Ultrapassada a fase de limpeza, de imediato jorraria leite e mel, o país se agigantaria, o povo farto de trabalho e riqueza. Aquela coisa do Brasil entregue ao estrangeiro não passava de prosa de subversivos, como os tais do “grupo dos 11”.

O povo não tardou perceber que a propaganda não chegava ao cotidiano. O aperto se aprofundando. O roçariano atrelado ao armazém – que lhe custeava a folha, fruto vendido na flor – aferrado à ideia de que não podia escapar da escorcha dos juros, ainda que sob a espreita de lhe tomarem a terrinha.
Certo que, como dantes no quartel de Abrantes, em terra que vivia dos frutos de ouro, o armazém e os bancos continuavam a fazer a festa e o produtor rural pagando a conta.

Como o medo – calado em cada um – acompanhara a propaganda oficial, aos poucos foi tomando corpo o desejo mórbido de ver aquela gente governante, eleita sem voto, sofrer um constipiu, um derrame. Simplesmente bater as botas. Morrer.

Escapar do armazém, o sonho de todos. Realização de ínfimo punhado. Deste universo João Paulo. De domingo a domingo plantando, podando, cuidando do mela. Cacau, saquinho que fosse, entregue no armazém para reduzir a conta. Que aumentava a cada atualização. Não havia safra que ajudasse a diminuir.

Um dia João tomou tino de que aquela coisa não estava certa. Pensou em tirar de doido e de arma em punho exigir a entrega das notas promissórias assinadas em branco, preenchidas ao alvitre do embusteiro ao final de cada ano, sempre mais uma “para variar”. Mas, temente a Deus e à lei, sabia que só o inferno e a cadeia teria por destino, família ao deus dará.

Um dia prometeu a todos os santos, diante do nicho, de que se quitasse a conta no armazém soltaria doze dúzias de adrianino para comemorar o feito.

Deixou de aceitar dinheiro adiantado do armazém. Esfolou mãos na enxada, podão, facão. Encascou as costas sob o peso dos caçuás.

Os anos correram, quase dez. Vendo sua alegria contrastar com a tristeza do armazém, quando chegava o tempo do encontro de contas. Os juros escorchavam, mas, mesmo assim, foi reduzindo o débito. Até aquele dia, quando acabara de entregar as últimas amêndoas para quitar o que devia.

Do saldo cumpriu a promessa. Comprou a grosa de rojões, encheu os caçuás de dois burros, rumou para o ponto mais alto da cidade e começou a festa. A cidade atolemou-se com tanto foguetório. Não era tempo de padroeiro, de Cosme e Damião, tampouco São João.

Não tardou, a polícia chegou e levou preso João Paulo. Diante do delegado, sem entender o que acontecia, indagado da razão daquele alvoroço. Contou a sofrida história. Liberado.  

Quando saía ainda lhe perguntaram se conhecia o Marechal Humberto de Alencar Castelo Branco. Respondeu que nunca dele ouvira falar.

O cearense tinha acabado de morrer em acidente aéreo, noticiara o rádio há meia-hora.

Justamente no instante da comemoração.

Manezinho Capador

Pros lados do Pardo, na região de Potiraguá havia um camarada famoso como castrador. Entretanto, a fama não decorreu da profissão, por ter a mão-boa ou perícia na arte da castração.

Manezinho Capador, como conhecido, vivia numa das fazendas ribeirinhas ao rio Pardo, próximas à balsa de Moisés, que também servia de “ponto de venda” para os moradores da região e dos usuários do único meio de travessia do rio, já que mesmo em época normal era rio valente. Por ali fazia ponto de prosa e a venda se tornou referencial para encontrá-lo ou mandar-lhe recados.

Mulato claro, forte, estatura mediana, queimado pela labuta diária das fazendas de pecuária, correndo atrás de gado – o Capador. Como “virtude” não gostava de desaforo, que falassem qualquer coisa contra ele. Não se sabe bem a origem da fama. Certo que não nasceu do fato de castrar animais, mas – como circulava à boca miúda – de existir uma lista de “cabras gordos” e mansos como cordeiros na região, “operados” através de suas mãos especializadas, coisa de fazer inveja a cirurgião formado. O motivo para tais “cirurgias” só Deus sabe.

Ponto de venda, em qualquer lugar, não pode deixar de ser o centro de conversa fiada (que o digam Geraldo e Mide, se resolverem relatar as estórias ouvidas na “Drogaria” que possuíram em Itororó que – para quem não conheceu – não passava de uma “farmácia” montada com as mais variadas infusões em cachaça, desde a “galinha” até o figo, o pratudo, alumã, cobra, cidreira, erva-doce). Há os fregueses cotidianos, os que passam uma única vez para confirmar a fama. Os engraçados, os chatos. Quando tomam “algumas” há os que dormem, os que conversam brigando, os que ficam valentes, os que desafiam o que conhecem e o que não conhecem. Estes últimos são um tipo a parte; parecem sublimar incapacidades e desafiam o que nunca fariam em estado normal.

Dessa última estirpe, lá na vendinha apareceu um dia um rapazola, franzino para sua juventude, desconhecido nas redondezas, e que, após uns dois goles, puxou conversa de valente, sabedor da existência de “um tal Manezinho Capador, que – diziam – tinha fama de capar gente”.

– Mas comigo é diferente. Esse tal nunca encontrou macho. Se é que já capou alguém mesmo...

Enquanto desancava a prosa, sem que percebesse, um molecote saiu da venda e foi contar a Manezinho o que acontecia.

Não tardou muito e o valente, após ingerir mais algumas, viu chegar um grupo de oito a dez homens, que foram se acomodando aos poucos em todos os espaços existentes, com jeito de “quem não quer nada”. Gente de Manezinho, que sondava o valentão, temendo – como o imaginara o próprio – fosse algum pistoleiro querendo acertar alguma conta com ele, sabe-se lá por que.

Estrategicamente cercado, e sem o perceber, o valente continuava prosa e desafio. Não tardou notar a presença daquele homem troncudo, de meia estatura, moreno-claro tostado pelo sol, cortando fumo para fazer um cigarro-de-palha. Nem o “silêncio de velório” fê-lo perceber o que ocorria, ou por acontecer, até que Manezinho resolveu intervir na conversa:

– Vosmicê tá dizênu qui qué conhecê esse tar de capadô?

O bravo não se fez de rogado e repetiu a conversa que despejara anteriormente, sentindo-se o máximo, arrotando ainda mais valentia. 

Manezinho, olhando de soslaio, traçava a palha para enrolar o fumo já picado. Humilde, após certa pausa, disse quase sussurrando:

– Ié, vosmicê ié brávu mêmu... De onde ié o “minínu”, de que “famia”?

– Apesar de não lhe interessar, eu vou lhe dizer: eu sou da região de Itambé e tenho parentesco meio longe, por parte de pai, com os Gusmão, de Conquista... – e olhava em volta, como a buscar respeito. Mas isso não importa... cadê esse tal de Manezinho Capador, que eu quero ver se ele é mesmo essa coisa que contam por aí. E voltando para o balcão:

– Bota mais uma aí!

Não houve tempo para mais nada. Nem para levantar o copo. Manezinho, calmo e mansamente, voz pausada, ordenou:

– Turma, segura o hômi, qu' ieu quero vê se ele ié macho mêmu. E completou a sentença:  Tira as carça.

O conversador não teve nem como espernear. Num piscar de olhos estava cercado, bem seguro, e quase como viera ao mundo, não fosse a camisa que lhe deixaram sobre o corpo e a cueca samba-canção que se tornara única veste inferior. Empalidecera a ponto de confundir a cor da pele com a da vestimenta que lhe cobria as 'partes baixas'.

Puxando o capa-garrote, Manezinho ordenou a um dos homens que tirasse a “cerôla” do homem, que a essa altura – se nem mesmo tinha cor – estava mudo e tremia como vara verde. 

Realizada a operação-tira-cueca veio a ordem:

– Segura o saco desse safado e aperta bem.

Assim foi feito. Quando o escroto, por força da pressão parecia querer explodir, já vermelho-roxo, Manezinho abriu a lâmina do capa-garrote e com ela espalmada deu um “tapa” na sensibilidade do desvalido, que se encolheu todo num gemido longo e reagiu com a reserva de ar abdominal que foi ouvida no Palmeirinha, acompanhada de um esguicho de merda que atingiu a parede.

A contra-ordem de Manezinho veio incontinenti:

– Sorta o safádo, qu' ieu tô custumado a capá ié hômi e não cagadô – e abriu uma gargalhada do tamanho do mundo, no que acompanhado por todos.

Alheios aos contorcionismos e gemidos do valentão pelo chão da venda, aos poucos foram os presentes saindo, um a um, ficando somente o valente e o vendeiro. O valente, pernas abertas, gemendo, limpava a sujeira que fizera, vigiado de perto pelo comerciante, que lhe ordenara o trabalho.

Sob pena de mandar chamar Manezinho.


Grupo dos Onze


Brasilino trabalhava na Prefeitura, emprego conseguido pelo compadre Henrique, a pedido de Zeca Pinto, nos idos de 1963, ali em Itororó – quando ainda não se tornara terra da carne-de-sol. Servia cafezinho e atendia um ou outro prestando informações, como indicar uma secretaria ou gabinete, se alguém estava ou não.

Nos anos que antecederam ao último golpe militar diziam que se uniu a um alfaiate, um comerciante de tecidos, um motorista e outros oito, decididos pela formação de um “grupo guerrilheiro”, apoiado ideologicamente pelo brizolismo. A Rede da Legalidade em 1961 já se tornara o programa radiofônico deles preferido. 

Após o golpe um coronel do Exército passou a ocupar o Gabinete do Prefeito, deste recebendo todo o apoio para as investigações que apuravam as atividades do grupo “subversivo” no local. E Brasilino servindo cafezinho.  Para informar aos companheiros qualquer novidade.  Caso necessário, orquestrar uma fuga para evitar a cadeia. 

Derneval Landim, Secretário de Administração do município acompanhava tudo, prevendo que numa determinada hora precisaria ajudar aqueles pobres coitados, sonhadores alguns, interesseiros outros – como o comerciante, que pretendia ser o fornecedor único de tecidos na região para o novo governo. 

Um dia o Coronel mandou chamar Brasilino, que atendeu todo mesuras, cheio de dedos, estranhando aquele chamado, já que, quando permitido, apenas levava o cafezinho.  Nem mesmo oferecida qualquer outra atividade, esta cumprida pelo ordenança do militar.

– Bom dia, “seu” Brasilino.

– Bom dia, General.

– General, não, “seu” Brasilino, Coronel!

– Ah, sim senhor, me desculpe Coronel.

E o interrogatório teve início, já com as ponderações feitas anteriormente por Derneval Landim, ao Coronel, quando soube que Brasilino seria interrogado sobre suas atividades revolucionárias na região.

– Sr. Brasilino, o senhor já escreveu alguma carta para Leonel Brizola?

– Não senhor, Deus me livre?

– E esta carta, “seu” Brasilino – e debruçou a missiva sobre a mesa, com a incontinenti indagação:

– A assinatura é sua? 

Brasilino gaguejou e engoliu em seco quando viu o nome aposto nas garatujas. 

– Parece, Coronel – tentou remendar, tremendo como vara verde.

Não conseguiu ler o que posto entre as mãos. Mas ouviu do próprio militar o contido nas poucas e objetivas palavras:

“Estimado líder Leonel Brizola. As coisas aqui estão boas. Só faltam as armas.”

Brasilino levou para o paraíso a tremedeira daquela hora. Eternamente agradecido a Landim, que demovera o militar de prosseguir na apuração.

A garrucha

A infância faz-nos viver situações para as quais não atribuímos o valor necessário. O tempo, entretanto, talvez pela impossibilidade do retorno viabilizado pelas recordações, fixa-nos, como mestre, o justificado nas dimensões de afeto, carinho, reminiscências. Não à toa a maneira como rememoramos entes ou amigos queridos deixa sempre a ideia de que algo ficou sem ser dito, que o olhar não foi lançado, que o sorriso não foi mostrado, que faltou a conversa final.

Os folguedos da meninada – hoje praticamente limitados às salas de internete – obedeciam ao ritual do depois da escola, do estudo, do jantar, dentro de limites e normas próprios da província onde vivia.

As famílias – após o jantar, lavados pratos e talheres em mutirão caseiro – sentavam-se à porta, postas as cadeiras e espreguiçadeiras na calçada, os chefes de família já vestidos no pijama para coordenar o comentário da novela (do rádio), enquanto vigiavam a prole nas piculas e cantigas de roda.

Os meninos iam conseguindo, aos poucos, certa autonomia, pela liberdade de irem se afastando daquele centro de vigilância, até desembocarem nas peladas noturnas, iniciadas num trecho mais longínquo da rua e depois estendidas para a “disputa” entre ruas e bairros, nos campos “oficiais” disponíveis. 

Aquela autonomia tinha seu processo iniciado no período diurno até que conquistado o exercício das peladas à noite. Geralmente sustentadas em fugas, e motivo da imposição ao banho antes do deitar, já que os atletas estavam em petição de miséria no que dizia respeito aos humores naturais.

Algumas vezes os encontros não se resumiam somente ao futebol; também a oportunidade de se tirar satisfação por qualquer coisa, sempre por meio das vias de fato, fosse entre desafetos individuais ou grupos, quando encontro entre ruas ou bairros. O futebol, o maior álibi, o meio de, através de uma falta pouco mais violenta, desencadear a luta campal. Valtenor e Basinho Chuva, Tim de Adalberto, Simõesinho, Leninho de Valdomiro, Robério de “seu” Leônidas, foram alguns  daqueles que não levavam desaforo para casa.

Em Itororó – palco da infância – a rua da Cancela, ficava próxima ao “campinho de Dona Auta”, tornado maracanã dos flamengo-e-vasco da imaginação.

O autor entre os meninos da rua da Cancela, da rua Apertada, da Pç. Castro Alves. Os “do centro”, que elegeram o Cachorro Assado como inimigo natural. Nas disputas entre ruas e bairros, ficaram na memória aquelas com a turma do Cachorro Assado.

Certa dia, digo, certa noite, em que pesasse recém-saída da chuva, a turma do “centro” foi disputar com o “Cachorro Assado” uma partida revanche, assim que a lua abriu o olhar. Era o jogo de volta da derrota – na bola e no tapa – sofrida dias antes, sucumbidos pela idade mais adulta dos “meninos” do Cachorro Assado.

Dentre os atletas convocados – muito mais “autoconvocado” para a ocasião – Tim de Adalberto manifestava especial desejo pelo evento revanchista. Ninguém entendeu a disposição. 

Iniciada a peleja, bola vai, bola vem, uma falta aqui, outra ali, e o clima foi tomando o rumo desejado: para a turma do Cachorro Assado, novamente botar a do “centro” para correr; esta aguardando o momento da desforra.

Não demandou muito tempo.

– Falta contra o Cachorro Assado – gritou Tim, caído perto da área – é penalte...” – já com a bola debaixo do braço encaminhando-se para a marca fatal.

– Não foi falta – repele Juscelino, líder adversário – “não bate”.

O bate-não-bate não poderia desembocar em outra coisa se não briga. O mote para Tim. Enquanto os demais aprofundavam a discussão, ensaiando o clima para a pancadaria, correu para junto da roupa.

O primeiro sopapo fora desferido quando se ouviu o primeiro tiro, logo depois o segundo. Silêncio sepulcral. Percebia-se mosca voejando. Ouvidos atentos aguardando gemido ou grito de algum ferido.

Passados alguns segundos, que pareceram séculos, o silêncio foi quebrado apenas pelo “chap-chap-chap” dos pés nas poças d’água do gramado recém chovido do mangueiro de Dona Auta. Da turma do Cachorro Assado, na desabalada carreira em busca do bairro – dispensando conferir se os disparos se repetiriam, tampouco se o foram para o alto – enquanto os do “centro” dobrávamos gargalhadas comemorando a vitória, com o adversário posto a correr.

Graças à intervenção providencial da garrucha dois-tiros-uma-carreira de “seu”Adalberto, trazida a campo pelo artilheiro Tim.

Outra infância! Outra criatividade!

Conto de fadas contemporâneo

A realeza britânica alimenta o turismo pátrio espalhando mundo a fora alguns dos pares para manter viva a manufatura moderna  o turismo  menos dispendioso que os antigos galeões e piratas vários que contribuíam para manter o mundo sob domínio da coroa de um “império onde o sol não se punha”. Dos jovens filhos da princesa Diana ao feioso Charles (aquele que preferiu a fera à bela). Saem em missões humanitárias ou voltadas para plantar interesses, como o faz o do “tampax” periodicamente no Amazonas.

A passagem recente do Harry pelo Brasil fez debruçar parcela significativa de adolescentes femininas no batente da janela/televisão para suspirar. No imaginário os contos de fadas ainda se fazem presentes nos sonhos. No fundo o renegado casamento para muitos, em tempos “de ficar”, ainda se mantém na crista da onda. Para quem duvidar indague a razão por que de alguns aquinhoados gastarem milhares de reais com vestidos de noiva, festas de solteiro e de casamento. Até a Igreja Católica, em algumas paróquias, estabeleceu critérios singulares que ajudam a alimentar a nova indústria.

A propósito, nos veio à mente Clara, parte desse universo. Sonhava casar-se no civil e no padre, com direito a violinos executando a marcha nupcial na entrada e a “Serenata” de Schubert na saída, jogando buquê para as amigas e brindada com alguns quilos de grãos de arroz.

Fora preparada para o casamento à antiga, aprendendo até a coser e cozinhar, ainda que tivesse que estudar, porque os tempos são outros e quem não tem diploma não vai a lugar nenhum. Lia clássicos e dispunha de respeitável repertório de música, do popular ao erudito. Achava as festinhas chatas com essa coisa de sertanejo universitário e quejandos. Mas, para dançar, aprendera que mais interessava o ritmo e menos a melodia. E, afinal, seus humores não podiam interferir no alheio nem impedi-la de viver.

Concluiu o curso universitário e logo encontrou ocupação no mercado de trabalho. Outros cinco anos haviam passado e o sonho adolescente persistia. Com a estabilidade financeira faltava-lhe apenas o príncipe  ainda que sem castelo  que ajudasse a trilharem juntos o caminho do futuro.

E tudo aconteceu. Numa tarde, percebeu o rapaz que a olhava com regular insistência há dias, procurando um jeito de sempre estar perto dela. Não tardou a devolver olhares. Descobriu-o com todas as virtudes. Trabalhador, honesto, preocupado em constituir uma família estável etc.

Namoraram, como todo mundo. As famílias vendo no par uma realização privilegiada. Encontravam-se sempre que podiam, comedidos diante da labuta de cada um. Almoços alternados com familiares aos domingos. Quem os via percebia-os apaixonados.

Programaram férias nos respectivos empregos a um só tempo e casaram-se dois anos depois, cerimônia realizada com pompa e circunstância (a famosa marcha de Edward Helgar pelos violinos, dando ares de realeza ao instante), com direito a lua-de-mel.

O caro leitor, ainda vivendo no tempo da fantasia, pergunta se viveram felizes para sempre. Não. Divorciaram-se há pouco. Sem filhos. Passados quatorze meses ela descobriu que o consorte bebia e jogava.

No entanto tudo isso ainda dava para suportar  confessou a uma amiga  porque passível de tratamento. Mas se isso não era o pior o que a fez tomar a medida extrema?

A princesa não suportou descobrir um príncipe viciado em BBB.


O olheiro

Fato verídico, para que não duvidem da seriedade do escriba, tirado a ficcionar verdades e a verdadeirar mentiras.

O time provinciano tinha fama, bons atletas. Nesse viés nunca conseguira, no entanto, um zagueiro para substituir Zelão. Não porque sobrassem virtudes ao dito mas porque não surgia quem quer que fosse capaz de enfrentar adversários.

Enfrentar era a palavra certa para aplicar-se ao caso concreto. Adversário – atacante, meia ofensivo ou zagueiro metido a goleador que fosse – não passava de ‘pirão’ para o valoroso beque central.

Sua preparação para o jogo passava não pela reserva física – com cautelas naturais, como não ir ao brega a partir da sexta-feira – mas pela concentração para a batalha, pensamento fixando canelas adversas. Caso lhe mostrassem foto da vítima a contemplação se sobrepujava e o indigitado corria o risco de sofrer um infarto e nem entrar em campo, tanta a energia despendida por nosso herói.

Nunca teve veleidades a ser mais do que conquistara: atração do time. Não pelo avantajado do futebol que apresentava, mas por despertar a curiosidade nos que iam assisti-lo e descobrir quem seria a vítima de seus birros. Ou o que sobraria dela.

Não tinha pejo em lanhar o semelhante que ousasse ultrapassar sua linha Marinot. Mesmo se utilizou de reforço extremo (utilizado por Júlio sapateiro) – até que alertado pelo delegado, quando descoberto, de que aquilo constituía tentativa de homicídio – de bater pregos nos birros, cortando-lhes a cabeça sem esquecer de deixar em torno de 1 milímetro escancarado em cada um para facilitar o trafegar pela pele e carne adversária quando subia o que chamava de pé e o ‘esquecia’ no corpo do infeliz.

Ninguém que o conhecesse tinha a desfaçatez de tentar driblá-lo. Bola recebida próximo ao seu território, de imediato despachada, em um só toque.

Um dia anunciaram um jogo importante, de rivalidade ímpar (tipo capital contra interior), com a Portuguesa, do Rio de Janeiro, que trazia para exibição, o Danilo Alvim, da Seleção Brasiléia de 1950. 
Nosso herói já em fase de concentração decidira que só livraria Danilo (que defendeu as cores do seu Vasco da Gama) quando lhe chegou alguém ao pé de ouvido para falar de um olheiro da Cidade Maravilhosa – “não podia afirmar se do Vasco, do Flamengo, do Botafogo ou do Fluminense” – que fora destacado para acompanhar a delegação da Lusa Carioca e levar alguns do time para o centro do futebol brasileiro e ele entre os observados, em razão de suas qualidades técnicas e disciplinares.

Foi o que bastou. A concentração mudou de alvo. Sonhou por duas noites como exemplar espécime de Ademir da Guia, Nilton Santos, Didi, Léo Briglia etc.

Domingo chegado, campinho abarrotado de gente, homenagem a Danilo, apito iniciando a partida.

Na primeira bola que lançou o time adversário para o ataque sobrou para ele. Buscou amaciá-la no peito, deixá-la cair nos pés para olhar a quem a distribuiria. A danada resvalou na canela, como um passe perfeito... para o atacante adversário. Que ainda cuidou de driblá-lo quando se voltou sobre o próprio corpo, antes de cair e ver aberto o escore.

A goleada foi histórica. Nunca mais ocupou lugar no time. Nem como reserva. Tornou-se motivo de chacota.

Ainda hoje – se vivo está – busca o “olheiro”. Que, soube depois, não passava de um ladino que apostara alto, dando vantagem de cinco gols. O finório pusera um parceiro “de olho”, que se instalara na pensão de Dezinha e espalhara a notícia em conversa sigilosa com seu Mano durante janta na sexta, antevéspera do jogo.

A inconfidência de ‘seu’ Mano se espalhara como fogo morro acima. O que muito irritara o ‘olheiro’, mas não o impediria de cumprir com sua obrigação. Como andou dizendo em alguns botecos, quando perguntado, respondendo com certa má vontade. Despertando o respeito, ouvindo conselhos e recomendações. E indicações.


Ah! Que ninguém pronunciasse ‘olheiro’ para que nosso herói pudesse ouvir.

Coroinha

Toda província que se preze tem seu doido. Uns porque inteiramente loucos, desmiolados – como dizia Tormeza, para ilustrar os sem juízo – desprovidos de qualquer senso de responsabilidade social, já que a denominada civilização cuidou de valer-se de conceitos por ela formulados em defesa de sua lucidez, ainda que nem sempre isso signifique sanidade. Aí estão – dentro da dúvida posta – dirigentes mundiais promovendo guerras e absurdos, dissociando países.

Outros o são porque desconectados dos padrões alimentados pelos conceitos acima.

De uma forma ou de outra, cada província tem o seu estranho.

Itapuhy já teve muitos, no curso dos anos. Um deles, no entanto, ainda resiste nos escaninhos da lembrança: Coroinha.

Nunca alguém o viu conversar. Falava com o olhar dos gestos para insinuar alguma necessidade, como o comer, o beber. Compreendido porque lhe passavam um prato de comida, enchiam o litro d’água que portava pendurado ao pedaço de corda em torno da cintura, que lhe servia de cinto. Enfeitava-se nos calcanhares de fitas e pedaços de tecido, coloridos, destacando especial pendor pelo vermelho.

Construiu um carrinho-de-mão – galiota para os modernos – que muitos poderiam imaginar de utilidade para conseguir o vil metal carregando feiras e bugigangas. Como não correspondia à função, tinham como uma expressão de seu desvario – porque o lúcido se imagina capaz de entender e interpretar o maluco – sublimando veículos que não possuía.

Descobriram o apreço por embriagados, escornados de fim de feira. Não podia vê-los caídos pelos passeios. Esperava, paciente, o esvaziamento do movimento, o bater de portas e punha-se à caridade de transportar o infeliz.

Para as más línguas, nele não havia altruísmo. Outra, a intenção. Afinal, o de bêbedo não tem dono.